fbpx

Doença de Parkinson ocorre quando neurônios (células nervosas) no cérebro morrem ou tornam-se prejudicadas e deixam de produzir dopamina. A dopamina é um mensageiro químico, conhecido como um neurotransmissor, que ajuda a controlar músculos e movimentos e quando os níveis de dopamina estão baixos o movimento será lento e hesitante (perda de equilíbrio e postura), músculos tensos e rígidos, e haverá agitação ou tremores. Doença de Parkinson é progressiva e, por isso, seus sintomas variam dependendo de quanto tempo o indivíduo tenha tido a doença. Os principais sintomas de Parkinson que podem ser ajudadas pelo exercício com lentidão de movimentos, rigidez e perda de equilíbrio e postura, e assim melhorar estes exercícios que deve ser feito.

Não tenho conhecimento de qualquer investigação sobre Pilates e Parkinson que aborda especificamente estes sintomas, mas isso não significa que não possa ajudar. Para a melhoria do equilíbrio, sugiro que você faça exercícios permanentes, como parte de seu workout Pilates, se você estiver trabalhando em um mat ou equipamento. Permanentes exercícios desafiam seus músculos e o seu cérebro para manter o equilíbrio e, por isso, ao longo do tempo que deve ser notado algumas melhorias. Melhorias em pessoas com Parkinson são geralmente lentas, mas podem ocorrer se você trabalhar duro e consistente.

Quanto à lentidão, flexibilidade e força são parte da solução. Muitos exercícios de Pilates trabalham através de uma gama completa de movimento e, por isso, rigidez e flexibilidade devem melhorar. Certifique-se que o instrutor se concentra a atenção sobre uma ampla gama de movimentos e exploração dessas posições para melhorar a flexibilidade. Por exemplo, usando a perna e molas sobre o Cadillac seria útil.

Quanto à força, é melhora típica e rápida para novatos. Esta força não é apenas uma função da massa do músculo, mas também devido às melhorias no sistema nervoso-patterning (impulsos do cérebro, através do sistema nervoso central, para os músculos). Quando o padrão de transmissão de impulsos do cérebro para os músculos, repetindo exercícios mais e mais, o cérebro recebe melhor a recrutar mais músculos e você começa a ter mais força (melhorias no patterning é porque você fica mais forte com cada treino, no início de uma formação/programa sem qualquer perceptível aumento de massa). Patterning é importante para as pessoas com Parkinson, patterning porque pode diminuir com uma perda de dopamina, por isso a repetição dos exercícios deve ajudar.

Pura força também é importante, não só para as atividades da vida diária, mas também para o bem-estar. É justo dizer que, sob condições de sentimento, sentir-se mais forte é melhor do que sentir-se fraco, e uma vez que a maioria dos exercícios Pilates construem uma dosagem (sobre o mat ou equipamento), é certamente benéfico ser adquirido. Algumas pesquisas com Pilates ainda revelam uma melhoria da qualidade de vida e o bem-estar nas pessoas com Parkinson como resultado da força edifício. Com isto dito, porém, ainda é importante fazer algumas das suas forças de formação de pé, quer se trate de Pilates com elevação ou tradicionais. Afinal, você não gasta todo o dia sentado ou deitado, por isso alguns de seus exercícios devem ser específicos para atividades de vida diária. Uma das limitações que observamos com os doentes de Parkinson que fazer Pilates é a falta de motor de formação para as atividades que faz durante o seu dia normal, como a abertura de portas, entrando e saindo dos carros, andar a pé, por isso certifique-se de profissional lhe ajuda a com isso.

Em uma nota ligeiramente diferente, é importante a investigação em animais que mostram o exercício aeróbico regular ter um efeito positivo sobre os sintomas parkinsonianos. Em um estudo, os cientistas deram a ratos uma medicação que induz a doença de Parkinson por destruir células cerebrais que fazem dopamina. Após a administração da medicação a todos os ratos, os pesquisadores então tinham metade dos ratos realizando exercício durante sete dias, enquanto a outra metade permaneceu sedentários. Após o estudo, eles descobriram que o exercício nos ratos resultou na perda de apenas 6 por cento de seus neurônios dopaminérgicos, contendo ratos sedentários que a perderam 87 por cento. Essa é uma diferença substancial com o potencial para a importante melhora clínica dos sintomas. Investigação sobre os efeitos do exercício sobre a bioquímica do cérebro revelou melhorias não só no Parkinson, mas, na demência, a doença de Alzheimer, e depressão, também. É encorajador trabalho e aponta para os benefícios de um estilo de vida ativo.

Fonte: ABP(ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PILATES )


Bookmark and Share

×